Genius Party

Projeto do Studio 4ºC que contaria com 14 animações dos mais variados artistas, os quais teriam a liberdade de criar o que quisessem, desde que o tema central girasse em torno do “espírito da criatividade”, por assim dizer. No fim das contas, apenas sete das obras originalmente programadas entraram em “Genius Party”. Das sete obras restantes, cinco foram lançadas posteriormente numa nova coletânea chamada “Genius Party Beyond”, apesar de já estarem prontas no momento do lançamento do “Genius Party” original. As duas obras restantes, “Le Manchot Mélomane”, do francês Nicolas de Crécy, e um projeto sem título de Hiro Yamagata, acabaram ficando de fora de ambas as coletâneas.
GENIUS PARTY – Esta animação curtinha já mostra de cara o porquê do Studio 4ºC ser tão cultuado entre os fãs de animação, em função da excelência técnica e do caráter experimental de suas obras. Uma espécie de pato esquisito, aparentemente feito de retalhos e com um olho esbugalhado, corre por um campo repleto de, sei lá, bolas de beisebol com olhinhos na cara e coraçõezinhos na cabeça. O pato é temido pelas bolinhas de beisebol, pois tudo o que ele quer é sugar seus coraçõezinhos. Mas em seqüências viajandonas repletas de cores, animadas com brilhantismo e embaladas por uma trilha sonora eletrônica empolgante, uma das bolinhas mostra que basta alguém começar a agir e se destacar da massa para que as idéias novas comecem a se espalhar. Original, divertido e tecnicamente sublime, “Genius Party” abre com chave de ouro esta coletânea.
SHANGHAI DRAGON – Na 2º metade do século XX, Gongrong, um menino melequento que adora desenhar o tempo todo, é motivo de chacota de todos os colegas de sua escola em Xangai, China. A única pessoa que o defende é Meihua, uma garota corajosa e que gosta dele. De repente, algo cai do céu e cria uma enorme cratera, de dentro da qual sai uma espícula azul de cristal. Gongrong mal imaginaria que aquela coisinha reluzente o levaria a combater robôs e naves gigantescas, tudo graças à sua tremenda criatividade.
DEATHTIC 4 – Um garoto de olhos esbugalhados e com uma mãe horrorosa vive num mundo que mais parece um pesadelo, no qual ser considerado fedorento é um enorme elogio. Mas em se tratando de um mundo de zumbis, as coisas não poderiam mesmo ser diferentes.
Certo dia, enquanto se encaminhava para a escola, o garoto vê um sapo cair do céu e parar direto num lago. Um ser vivo num mundo de zumbis? Que horror! Para evitar problemas com a polícia dos zumbis, o garoto pede ajuda a Blaze, Ashe e Posse, três auto-denominados “super-heróis”, para que possam devolver o sapo a seu mundo através do buraco Uzu-Uzu, um portal que comunica o reino dos mortos com o mundo dos vivos.
DOORBELL – Um estudante começa a vivenciar estranhos eventos, como se várias cópias de si mesmo começassem a aparecer o tempo todo. Sem saber se está enxergando outras dimensões ou outros universos, o rapaz sente que está perdendo sua vida para suas cópias, e precisa tomar providências a respeito.
LIMIT CYCLE – Sobre as dicotomias “emoção e razão”, “real e virtual”, “Deus e ciência”, “instinto e conhecimento”, e assim por diante. Para aqueles que tentam descobrir uma forma de manipular o tempo, “Limit Cycle” consegue esta proeza, transformando seus quase 19min de duração em momentos excruciantes que parecem durar 10 vezes mais.
HAPPY MACHINE – Um bebê se diverte com um brinquedinho cheio de cores em seu quarto enorme, no qual nada é de verdade, apenas simula a realidade. Mas quando este brinquedo pára de funcionar e sua mãe virtual literalmente se esvazia como um balão, o garoto sai de sua cama e acaba caindo num mundo real muito bizarro, no qual fica com cara de porquinho.
BABY BLUE – Shou é um rapaz reservado, estudioso e considerado um aluno-modelo em sua escola. Por isto a surpresa de sua amiga Hazuki quando ele pergunta se ela não gostaria de “matar aula”, vivendo aquele dia sem pensar no amanhã e no futuro. Amigos próximos durante a infância, Shou e Hazuki acabaram se afastando um pouco à medida em que cresciam. A experiência de passarem um dia inteiro juntos, sem se preocuparem com nada, permitiu que pudessem se ver novamente como eram na infância, sem máscaras sociais que ocultassem suas verdadeiras personalidades.
Outros Títulos : —–
Categoria : Movie/Curta
Episódio : 7
Ano : 2007
Criador Original : Studio 4ºC
Diretor : Atsuko Fukushima / Shoji Kawamori / Shinya Kimura / Yoji Fukuyama / Hideki Futamura / Masaaki Yuasa / Shinichiro Watanabe
Estúdio : Studio 4ºC
Duração : 5 à 20 min
Gênero : Ficção / Cyberpunk / Adulto
Link no Anipédia

3 ideias sobre “Genius Party

  1. Animes semelhantes ao Genius Parte tem o Genius Party Beyond, Digital Juice, Memories, Neo-Tokyo e Amazing Nuts!, agora, temos outras obras muito legais que são uma combinação de vários estúdio fazendo uma obra única, mas cada qual animando uma parte : Batman: Gotham Knight, Dante's Inferno, Halo Legends, Animatrix, Fuyu no Hi (esse é bem diferente do normal). Passando mais por fora, mas mesmo assimm dentro do assunto, temos todo ano uma coleção de 4 especiais que o governo japonês investi em novos animadores, então temos os de 2010/2011 :
    Kizuna Ichigeki / Ojii-san no Lamp / Tansu Warashi. / Bannou Yasai Ninninman
    Os de 2011/2012 :
    Buta / Wasurenagumo / Puka Puka Juju / Shiranpuri
    Os de 2012/2013 :
    Death Billiards / Little Witch Academia / Aruvu Rezuru / Ryo

    E mais por fora também temos o Projeto Ganime que tem : Highway Jenny / Fantascope Tylostoma / G-9 / Tori no Uta

    Espero que se divirta.

  2. Uh *-*
    Os curtas do Ga-anime conquistaram-me (:
    Outrora assisti a alguns dos financiados pelo governo japonês ( Shiranpuri e Ojii-san no Lamp ), o restante aparenta um tanto quanto genérico, mas verei alguns.
    Aos que envolvem Koji Morimoto assisti quase todos.
    Grato pelas recomendações.

    Até mais õ/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *